Home
 
História da Arte
 
Artistas de Referência
 
As Nossas Obras
 
A sua opinião

Amadeo de Souza-Cardoso

(n.1887, f.1918)

 

            Este artista é natural de Amarante e, apesar da sua curta vida, as suas obras possuem um carácter imortal. Foi um dos percursores da pintura moderna em Portugal.

A sua família era rica e influenciou-o a ingressar no curso de Direito na Universidade de Coimbra. Depressa desistiu do curso e mudou-se para o de Arquitectura na Academia de Belas Artes de Lisboa em 1905. O curso não satisfaz o seu génio criativo, por isso parte para Paris, em 1906, com a intenção de continuar a estudar. As suas primeiras experiências artísticas conhecidas foram desenhos e caricaturas, depois dedicou-se à pintura. Poder-se-á dizer que foi um pintor impressionista, expressionista, cubista, futurista mas sempre recusou qualquer rótulo. Apesar das múltiplas influências procurava a originalidade e a criatividade na sua obra. Em 1910 esteve alguns meses em Bruxelas e, em 1911, expôs trabalhos no Salon des Indépendants, em Paris, aproximando-se progressivamente das vanguardas e de artistas como Modigliani, Brancusi, Archipenko, Juan Gris e Robert Delaunay.

Depois de participar em 1913 numa exposição com oito trabalhos nos Estados Unidos da América, no Armory Show, voltou a Portugal, onde realizou duas exposições, respectivamente em Porto e em Lisboa. Nesse ano participou ainda no Herbstsalon da Galeria Der Sturm, em Berlim. Em 1914 encontrou-se em Barcelona com Antoni Gaudí, e parte para Madrid onde é surpreendido pelo início da I Guerra Mundial. Regressou então a Portugal, onde iniciou a sua carreira na experimentação de novas formas de expressão, tendo pintado com grande constância ao ponto de, em 1916, expor no Porto 114 obras com o título "Abstraccionismo", que serão também expostas em Lisboa, num e noutro caso com novidade e algum escândalo. O cubismo em expansão por toda a Europa foi influência marcante no seu cubismo analítico.

Amadeo de Souza-Cardoso explora o expressionismo e nos seus últimos trabalhos experimenta novas formas e técnicas, como as colagens e outras formas de expressão plástica.

Em 25 de Outubro de 1918, aos 31 anos de idade, morre prematuramente em Espinho, vítima da pneumonia que grassava em Portugal.

Em 1925, a França realizou uma retrospectiva do pintor, com 150 trabalhos, bem aceites pelo público e pela crítica. Dez anos depois, em Portugal, foi criado um prémio para distinguir pintores modernistas, que recebeu o nome de "Prémio Souza-Cardoso".

 

Obras

 

• Barcos

• Cabeça

• Canção Popular a Russa e o Fígaro

• Cozinha da Casa de Manhouce

• Entrada

• Les Cavaliers

• Menina dos Cravos

• Pintura

• Pintura (Brut 300 TSF)

• Procissão Corpus Christi

• Retrato de Francisco Cardoso

• Saut du Lapin

Copyright©Hugo e Marco, 2008

Criado em Março de 2008

Última actualização: 20.03.2008

hmtakaos@hotmail.com

marcoliveira1@sapo.pt

"Pintura", de Amadeo de Souza-Cardoso